A opinião de ...

A ministra das Finanças, muito ufana, veio anunciar urbi et orbi que tem os cofres cheios. Afirmação completamente disparatada e que revela uma enorme insensibilidade social. Em primeiro lugar, os cofres estão cheios de dinheiro emprestado que custa caro aos contribuintes. Em segundo lugar, os portugueses foram esbulhados das mais diversas formas pelo governo e ficaram de bolsos vazios. Em terceiro lugar, os cofres estão cheios e o governo reduz o investimento público, verdadeiro motor do investimento privado, sem o que não haverá crescimento económico.

Seg, 2015-05-04 14:29

Quanto tempo devemos guardar os comprovativos de pagamento e as respetivas faturas, de serviços como a água, a eletricidade ou o gás, é uma dúvida muito recorrente entre os consumidores e que importa esclarecer.
 
As faturas correspondentes à prestação dos serviços de eletricidade, gás ou água devem ser conservados, no mínimo, por 6 meses, período este em que o pagamento dos consumos pode ser exigido.
 

Seg, 2015-05-04 14:26

Em Portugal, o dia 25 de Abril tem, desde 1974, e para pelo menos dois terços dos portugueses e das portuguesas, um significado especial: é o dia em que recuperámos a liberdade. Que palavra é essa que, afinal, tanto é usada em sociedades autoritárias como em sociedades democráticas? É uma palavra metafórica, que pode ser ressemantizada, isto é, ter outros significados, conforme os contextos, conforme a história das pessoas e das sociedades e conforme a vontade e consciência de quem a usa? Claro que sim.

Seg, 2015-05-04 14:25

Tive conhecimento, através das redes sociais, na página "Vamos apoiar Hugo Ernano", que a Associação de Profissionais da Guarda Nacional Republicana (APG/GNR) está a lançar uma campanha de recolha de verbas para custear o recurso que o colega Hugo Ernano vai interpor junto do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, na sequência do processo em que foi condenado, por, acidentalmente, no dia 11 de Agosto de 2008, em Loures, ter matado a tiro um jovem de 13 anos, de etnia cigana, em resultado de uma perseguição movida ao veículo em que a vítima, o pai e um tio seguiam, após furto a um armazém d

Seg, 2015-05-04 14:23

Por mais apedeuta que qualquer pessoa seja, terá sempre algo para ensinar e muito para aprender, nomeadamente tendo em conta que a formação e o conhecimento vão muito para além de estudar ler e ouvir. Por mais letradas, eruditas, ou tecnicamente formadas, que sejam as pessoas têm, ainda e sempre, muito a aprender. Há inúmeras coisas que não sabemos, experiências de que não usufruímos e ambientes que não partilhamos. 

Seg, 2015-05-04 14:21

Todos sabien cuntar cuntas. Cuntában a la nuite, debagar, cun asseinhos de lhembrancias i zeinhos mímicos cun las manos. You iba oubindo i daprendendo. Era l purmeiro lheite alimentar de la mie lhiteratura.
 
Luis da Câmara Cascudo, Literatural Oral no Brasil
 

Seg, 2015-05-04 14:20

A Freguesia de Macedo do Mato, concelho de Bragança, conheceu, no passado dia 12/03/2015, Domingo, um dia diferente.
Com efeito, promovida pela Delegação de Bragança, da Liga Portuguesa Contra o Cancro, em colaboração com a Associação Portuguesa de Medicina Dentária Hospitalar e com o patrocínio da Junta de Freguesia local, teve lugar naquela freguesia uma ação inédita de Consultas de Diagnóstico Precoce de Cancro Oral.

Qui, 2015-04-23 17:58

1. A mais recente astúcia da intolerância é a manipulação do argumento da tolerância. Durante milénios, a intolerância era franca e leal, na sua brutalidade; porque se apresentava em nome do bem e contra o mal. Podia manipular a definição do bem, é certo, definindo-o dogmaticamente e impondo-o contra o mal; mas ainda prestava homenagem ao bem.

Qui, 2015-04-23 17:56

L Douro atrabessa l coraçon de carbalho
de Iberia i de Castilha.
Oh, tierra triste i nobre
la de ls altos prainos i scadales i peinhas,
de tierras sien arados, rigueiros nien arboledos. 
 
Antonio Machado, A orillas del Duero
 
 
 

Qui, 2015-04-23 10:09

A Esperança andou no ar, a união percorreu as ruas, o desassossego saiu das trevas e dos labirintos interiores de todos nós e emigrou, pensávamos que para todo o sempre, e sentimos o quebrar das grilhetas que nos amarravam ao isolamento internacional. O indeciso Caetano, prisioneiro de passado do qual se não conseguiu libertar, foi obrigado a delegar o poder nas mãos do futuro.

Qui, 2015-04-23 10:05

Ao falar de ciência em Portugal há uma referência unanimemente incontornável: José Mariano Gago falecido inesperadamente esta semana. Muito se disse já e muito mais se dirá nos próximos tempos sobre o distinto e prestigiado cientista que foi, igualmente, o melhor e mais clarividente ministro da ciência.

Qui, 2015-04-23 10:04

Dentro das baias do paradigma oficial iniciaram-se as comemorações do século e meio do nascimento de Francisco Manuel Alves, sobejamente conhecido como Abade de Baçal. Eu gostaria de ouvir e ler palavras sobre o estrénuo estudioso de calhaus, pedras e toda a sorte de documentos, fora da caixa da burocracia cultural rica em folhos de seda e fitas de veludo, onde foi colocado e afastado dos móbeis do seu povo que tanto amou e exaltou.

Qui, 2015-04-23 10:02

Como professor e educador deparo-me muitas vezes com crianças e jovens que perante uma questão concreta, da qual se espera uma resposta, respondem com alguma frequência e com aparente segurança: não sei, não me importo, não tenho interesse, não sou capaz. Por outro lado, encontram-se adultos condenando esta atitude dos mais novos e supervalorizando aspetos associados à sua infância ou à sua juventude.

Qui, 2015-04-23 10:01

Singela a notícia, bem mais que o respectivo conteúdo: inseria o rodapé a passar em programa televisivo que era pedida indemnização à CP e à Refer no valor de mais de dois milhões de euros por morte de juiz. A estupefacção primeira resumia-se à extensão disforme do valor em causa. Motivo: a crença de que o falecido, no seu exercício profissional, jamais decretara reparação igual a beneficiar terceiros. E nenhum juiz, por mais que o possa pretender, é pertença de outro mundo.

Qui, 2015-04-16 10:26

Apesar de ter vindo sempre a melhorar; apesar de muitas avaliações institucionais externas das nossas instituições de ensino superior (IES) colocarem dois institutos politécnicos portugueses (IP), um deles o Instituto Politécnico de Bragança (IPB), acima de dois terços das universidades portuguesas (UP), os IP ainda continuam a ser vistos pelas nossos dirigentes políticos (DP) e população em geral (PG) como instituições de segunda e os professores dos politécnicos (PP) veem direitos fundamentais ser-lhes negados, tanto pelo Estado como pelos colegas das universidades.

Qui, 2015-04-16 10:24

Batizou l sou nino aporfelhado, i chamou-lo Quasimodo, seia porque quijo assi marcar l die an que l’habie ancuntrado, seia porque quijo dezir por este nome cumo la probe criatura era defeituosa i mal acabada.

Victor Hugo,
Notre Dame de Paris

Qui, 2015-04-16 10:21

Impõe-se que comece está crónica com uma declaração de interesses: no PSD, meu partido de sempre, encontro-me na ala social-democrata, mais à esquerda, e é aí que sou, normalmente, identificado. Facto que não me tolda a razão, não me radicaliza o discurso nem me impede de ter, na política partidária, um olhar realista e pragmático.

Qui, 2015-04-16 10:16

 
Amados fiéis oubintes
Peço-vos alguma atenção
A obra que se vai representar
É a bida de José
Bemdido por seus irmãos.
 
José sonhou um sonho
A seus irmãos o contara
Que andando todos a segar
Ele um molho ataba.
 
Auto de Jesé de l’Eigipto
 

Qui, 2015-04-09 10:29

Dizem os entendidos, temos dos bons, que nossa primeira Mátria foi o ventre de nossa mãe. Lá, protegidos, fomos sofrendo acrescentos, upgrades como agora se diz, até atingirmos a perfeição, isto é, até ficarmos preparados para o mundo. Um dia, ao percebermos que o alimento acabou, anunciamos ao mundo o querer nascer, enchemos os pulmões de ar e, sofrendo, gritamos bem alto a vontade de viver sentido apenas a Liberdade que a lufada transportou.

Qui, 2015-04-09 10:28

 
9 de abril 2015. O sol nasceu às 7:10 e vai pôr-se às 20:07. No calendário de parede, suspenso num prego velho e enferrujado espetado na caliça amarelecida, o dia assinalado, com largo círculo vermelho, na matriz numérica enquadrada por longínqua paisagem nórdica é o nove. O mês é abril. O ano, 1975! Quarenta anos depois, o quarto da velha pensão Machado Cura mantinha-se igual. Parara no tempo.
Levanto a persiana de tabuinhas pintadas de verde desbotado e espreito para o largo em frente aos Correios. Juraria que o carteiro de bronze ganhou vida.

Qui, 2015-04-09 10:26

Assinaturas MDB